Colunas
Rede de parceiros em suas especialidades com informações exclusivas.
Royalties eólicos - Por André Trigueiro
A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do deputado Heráclito Fortes (PSB-Piauí) poderá fazer com que o Brasil seja o primeiro país do mundo a cobrar royalties da energia eólica. Embora os royalties sejam usualmente cobrados como compensação a uma atividade exploratória de um recurso finito que gere impactos importantes (petróleo, gás e recursos hídricos usados como fonte de energia), a PEC 97/15 surpreende ao afirmar que ?o vento é um recurso que pertence a todo o povo brasileiro? e que seria justo compartilhar os benefícios econômicos dessa atividade. leia +



Compulsão de pedalar - Por Fernando Gabeira
O Brasil tem dois fatos marcados para o início de 2018. Um, com direta repercussão na política, o julgamento de Lula, em 24 de janeiro; e o outro, com impacto na economia, a votação da reforma da Previdência, marcada para 19 de fevereiro. Em agosto de 2018 o impeachment de Dilma Rousseff completa dois anos, e existe ainda uma discussão aberta sobre se valeu a pena, se foi melhor para o Brasil. leia +



Muito macho - Por Nizan Guanaes
O Brasil é, vergonhosamente, campeão mundial de assassinato de homossexuais. Isso não é uma estatística fria, isso é gente ao nosso redor. Meu primo Junior foi cruelmente assassinado. Meu amigo de escola Antônio foi esquartejado. Isso só para citar dois bem próximos. São muitos mais. leia +



Prosumidores - Por Eduardo Athayde
Prosumidor é o consumidor que produz conteúdo, produtor + consumidor. Ele pesquisa, pauta tendências, contribui no processo de criação de produtos e serviços, compartilha experiências, alimenta e empurra o desenvolvimento da sociedade com inteligência nova. O termo foi criado por Alvin Toffler no livro A Terceira Onda. A digitalização da eco-nomia e as redes sociais estão transformando prosumidores em agentes profusores, ajudando a mudar comunidades e o mosaico das faces do mundo. leia +



Nem tudo que reluz - Por José Eli da Veiga
O jovem historiador israelense Yuval Noah Harari, 41, tornou-se um olímpico recordista com seus dois best-sellers globais: ?Sapiens? (2011) e ?Homo Deus? (2016). Pena que nem sempre seja fiel às literaturas científica e historiográfica. Ao menos duas mancadas em sua última proeza evocam o provérbio português do título acima. A primeira está em sua manipulação da ideia de Antropoceno, a nova Época, posterior ao Holoceno, em que as atividades humanas teriam se tornado a mais poderosa influência sobre a ecologia global. Ela agita a comunidade científica desde 2000, quando a revista Nature trouxe o artigo ?Geologia da humanidade? do prêmio Nobel de química Paul Crutzen, que estimulou diversas análises sobre o momento em que teria ocorrido a virada de Épocas. leia +



O Portal EcoD é um projeto do Instituto EcoDesenvolvimento - O conteúdo está sob uma licença Creative Commons CC
Desenvolvido pela 220i | versão tradicional | versão mobile