as oportunidades digitais da copa. e não só.
Por Silvio Meira

a copa [no brasil] e a olimpíada [com ela, no rio] vão resolver todos os problemas do país. da cobertura de celular e banda larga móvel [em quantidade e qualidade] às crateras das ruas e avenidas de recife e das grandes metrópoles, passando por lixo e reciclagem, planejamento urbano, segurança, ensino de línguas nas escolas, qualidade dos hospitais e postos de saúde… sem falar na solução definitiva dos problemas de mobilidade urbana e transporte público. acho que esqueci as enchentes… mas capaz de estarem no pacote também. e a lei geral da copa, instrumento de exceção imposto ao país pela [e para a FIFA], pode não só trazer a cerveja de volta aos estádios, mas vai garantir que esteja geladíssima, sempre.

claro que muito pouco de tudo isso vai acontecer de fato, a não ser –pelo andar da carruagem- a lei geral copa, que deverá valer de vinte dias antes do primeiro jogo até cinco dias depois do último. coisas do futebol. e de países sujeitos a ele, talvez. mas o certo é que a esperança messiânica de setores inteiros da economia e do pensamento nacional quase que exigem que a copa e olimpíada, além de serem grandes oportunidades, sejam também a solução definitiva para problemas seculares do país, como o verdadeiro ensino de línguas nas escolas, problema que pode ter a ver, até, com a baixa penetração das pequenas empresas brasileiras nos mercados internacionais, dado que, aqui, falar inglês é raro e caro.

deixando o contexto mais amplo de lado, o motivo deste post é um debate promovido pelo sebrae-DF sobre oportunidades digitais criadas pela ou por causa da copa de 2014, do qual tive o prazer de participar. o cenário do "digital" pode ser descrito, por um lado, pelas tecnologias que suportam a…

image1

informaticidade, ou computação, comunicação e controle. uma parte do problema é usar o que existe de tecnologia e infraestruturas associadas para resolver [ou criar] problemas e levar ao mercado soluções que façam surgir novos negócios inovadores de crescimento empreendedor. outra parte é [re]criar as próprias tecnologias associadas à informaticidade, se bem que o esforço, aqui, é consideravelmente maior, mais complexo e, normalmente, fora do alcance da quase totalidade das micro e pequenas empresas.

informaticidade traz as pessoas para ambientes digitais, conectados, onde mobilidade informacional é a norma e, breve, onde programabilidade de parte da solução pessoal e do contexto global também pode vir a ser a regra, ao invés da exceção. o contexto criado por tal conjunção de fatores é mostrado abaixo…

image2

…e quer descrever um espaço de fluxos que conectam pessoas, que estão [ou estariam, ou estarão] usando [e/ou falando sobre e se relacionando com] coisas [pense ônibus, carros, ruas, sinais de trânsito] e instituições [pense nas de saúde, educação, segurança...] e, claro, com as marcas espalhadas por todo canto e querendo participar de todas as interações, afinal de contas isso é um mercado. um mercado social, de grandes oportunidades.

negócios associados a grandes eventos que usem ou dependam do digital, conectado, móvel e programável não precisam, necessariamente, da copa ou olimpíada como contexto ou [nicho de] mercado. na verdade, somos um país de grandes eventos, que ocorrem há tempos, durante todo o ano, em quase toda parte. o slide abaixo, da minha apresentação no debate do sebrae-DF, tem uma pequena lista de possibilidades, que não incluiu nem o são joão do nordeste, por absoluta falta de espaço.

image3

qual é a ideia? simples: se você vai fazer alguma coisa muito interessante para a copa, porque não haveria de começar pelo campeonato brasileiro? isso aqui não é o qatar, onde vai ser a copa de 2022, que tem 1/9 da área de pernambuco e a população de recife. o conjunto anual dos campeonatos brasileiros e estaduais é muito maior do que qualquer coisa que veremos, localmente, na copa. os carnavais de pelo menos tres cidades [rio, recife, salvador], idem. aqueles engarrafamentos de 250km de são paulo, também. a quantidade de pessoas fora de casa, em busca de informação e serviços, a cada verão, é muito, mas muito maior do que os 500 mil turistas que devem visitar o país em 2014, se a crise econômica mundial deixar. pra se ter uma ideia, as praias de natal atraem quatro vezes mais turistas do que os estrangeiros previstos para a copa. e há o ENEM, os concursos, que também são "eventos", de longa duração, que atraem milhões de pessoas…

qual é a mensagem? se você vai fazer alguma coisa para a copa, não espere pela copa. o mesmo vale para a olimpíada. já temos muitos problemas muito relevantes que podem começar a ser resolvidos agora, em eventos nacionais de classe mundial que representam oportunidades gigantescas. a copa pode ser o vetor de espalhamento internacional da sua solução.

ao mesmo tempo, não pense que só nós estamos olhando para a copa no brasil. ou para a olimpíada. todos estão, especialmente os que já estão associados a tais eventos há tempos. a rede de valor é complexa, de grande porte, e não há espaço e tempo para improvisação muito perto da FIFA. como se não bastasse, iniciativas como airBnb e couchsurfing são mundiais e certamente serão usadas por gente que já faz parte de suas redes e vem pra cá nos grandes eventos.

e qual é a oportunidade? criar, a partir daqui, e em função de competências que temos ou estamos desenvolvendo nos nossos próprios grandes eventos "nacionais", soluções de classe mundial [mesmo que locais] capazes de gerar os novos negócios inovadores de crescimento empreendedor dos quais este blog tanto fala. até porque, se não for pra fazer isso, pode ser melhor…

image4

…afinal de contas, o carnaval vem aí… e tem todo santo ano.

image5


Silvio Meira

Fundador do www.portodigital.org e cientista-chefe do www.cesar.org.br, escreve mensalmente para a Folha de São Paulo.

 

 

 

 

+Artigos
O Portal EcoD é um projeto do Instituto EcoDesenvolvimento - O conteúdo está sob uma licença Creative Commons CC
Desenvolvido pela 220i | versão tradicional | versão mobile